85 98117.4241

ouvinte@redeshalomderadios.com

85 3261.3600 / 3264.1863

Tempo de Viver

Cerco de Jericó: Estudo Bíblico do dia 29-08-18 (QUA)

  • Publicado em 29/08/2018

Tema: Continuação do sonho do Faraó

Indicação: Leia por três vezes Genesis 41, 28-36, perceba que o alvo de José era a Santidade, fazendo sempre o que o Senhor mandasse. Leia este texto pedindo a graça de uma visão espiritual, para que você veja a sua vida e história como Deus a vê.

"É como eu disse ao faraó: Deus lhe revela o que vai fazer. 29.Haverá sete anos de grande abundância para todo o Egito. 30.Virão em seguida sete anos de miséria que farão esquecer toda a abundância no Egito. A fome devastará o país. 31.E a abundância do país não será mais notada, por causa da fome que se seguirá, porque será violenta. 32.Se o sonho se repetiu duas vezes ao faraó, é que a coisa está bem decretada da parte de Deus, que vai apressar-se em executá-la. 33.Agora, pois, escolha o rei um homem sábio e prudente para pô-lo à testa do país. 34.Nomeie também o faraó administradores no país, que recolham a quinta parte das colheitas do Egito, durante os sete anos de abundância. 35.Eles ajuntarão todos os produtos destes bons anos que vêm, e armazenarão o trigo nas cidades, à disposição do faraó como provisões a conservar. 36.Estes mantimentos formarão para o país uma reserva em previsão dos sete anos de fome que assolarão o Egito. Dessa forma o país não será arruinado pela fome.”

Compreendendo o texto e respondendo em Espírito de Oração os quesitos abaixo.

A fome seria tão severa que as pessoas não se lembrariam dos anos em que havia fartura. José enfatizou a existência e o poder do verdadeiro Deus. Ele deixou bem claro que estava falando de um só Deus, e não de deuses falsos que eram adorados na corte egípcia ou até mesmo do próprio faraó, que também era considerado como um deus pelos seus súditos.

A expressão um varão inteligente e sábio significa um homem extraordinariamente sábio. Guardar um quinto da colheita pode parecer muito. Entretanto, a grande quantidade armazenada durante o período de prosperidade permitiria que houvesse menos preocupações se algo eventualmente se estragasse, representaria um ganho extra pela comercialização do excedente e ainda deixaria reservas de grãos para o plantio após os sete anos de fome. Essa grande reserva alimentar representaria uma ampliação do reinado e da autoridade do faraó, durante a seca.

Acharíamos um varão como este, em quem haja o Espírito de Deus? Aqui o faraó reconhece que José era extraordinariamente sábio e, mais precisamente, testemunha o poder de Deus na vida de José. Os egípcios mantinham enormes celeiros de pedra, principalmente para os grãos. Isso os deixava protegidos contra a fome e ajudava a estabilizar os preços dos produtos. Os celeiros eram frequentemente ligados aos templos. O administrador era considerado um ser divino, e o grupo encarregado do manejo e da distribuição dos produtos era o mais importante no governo fundamentalmente religioso do Egito.

Auxiliados pelas palavras do fundador da Comunidade Católica Shalom Moysés Azevedo, façamos uma oração sincera pedindo a Deus a graça de uma vida pobre e como ele nos diz: “Ser pobre é, em primeiro lugar, estar nas mãos de Deus”. Se estivermos em Deus, nunca nos faltará o que precisamos, estar nas mãos dEle é uma graça de abandono e amor confiante. Que fuja do nosso interior o desespero, a tristeza e a angustia com preocupações exageradas. Bom estudo.