85 98117.4241

ouvinte@redeshalomderadios.com

85 3261.3600 / 3264.1863

Notícias

Índice de homicídios por armas de fogo cai no Ceará após apreensões

  • Publicado em 20/01/2020

A dinâmica do crimes violentos no Ceará vem se reconfigurando. Comparados os anos de 2018 e 2019, o percentual de vítimas de homicídios ocorridos com o uso de arma de fogo reduziu. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), no ano passado, 78,8% das mortes violentas aconteceram com uso desse tipo de armamento. Em 2018, o índice era 87%. Com a redução das mortes à bala veio o aumento dos assassinatos cometidos à faca ou outros meios, como espancamento.

Para o secretário André Costa, as milhares armas de fogo apreendidas no estado nos últimos anos fizeram com que muitos criminosos deixassem de ter acesso a esse tipo de material. De 2013 a 2019 foram 43.542 apreensões de armas de fogo. Destas, 5.479 recolhidas no último ano de 2019, sendo 33 fuzis (12 apreendidos no mês de janeiro, período da maior sequência de ataques no Ceará).

André Costa destaca que quase todos os fuzis apreendidos são importados dos Estados Unidos ou Rússia: "Nós temos algumas rotas pelas quais estes fuzis entram. Dependemos muito de informações dos órgãos federais. Existem rotas terrestres, uma muito forte é a do Paraguai. Temos desafio grande com relação a Colômbia, e ainda a rota marítima. Vemos alguns casos de contrabando, de navios que ingressam pelo nosso litoral do Ceará. Esse tipo de armamento é muito perigoso e tem um alto potencial lesivo nas mãos de criminosos", afirmou.

O professor e pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceará, Luiz Fábio Paiva, considera que as políticas de Segurança Pública em curso no Ceará evidenciam ambiguidade na dinâmica dos enfrentamentos da violência. O especialista destaca que os números são significativos, mas as armas nas ruas continuam sendo parte de tragédias.

"É evidente que um esforço está sendo feito, existe um trabalho de sofisticação das operações policiais pelo incremento de tecnologias, mas os problemas de segurança pública persistem porque existem dimensões estruturais que continuam a gerar violência e crime. Isto faz com que, no Ceará, apesar da redução de homicídios, os moradores das periferias urbanas, em sua maioria pessoas negras, continuem convivendo com grupos armados, seu mando e seus conflitos. Por isso, famílias, neste início de 2020, choram a morte de crianças vítimas de balas perdidas utilizadas para acertos de conta", afirmou o pesquisador.

Recompensa milionária

Cada arma de fogo apreendida por policiais militares ou civis rende uma recompensa financeira. Em 2019, o Governo do Ceará desembolsou R$ 1,1 milhão para pagar essas gratificações. Também foram pagos quase R$ 63 mil de recompensa pelas apreensões de 14.213 munições; e R$ 5,1 mil pelo recolhimento de acessórios (carregador rápido de munições, luneta e silenciador).

De acordo com secretário, o valor pago por cada item varia conforme o tipo de objeto apreendido. Para as armas de fogo, a recompensa vai de R$ 400 a R$ 800, sendo o maior valor entregue em troca da apreensão de um fuzil.

“É uma forma de estimular para que os policiais trabalhem na busca por armas. Só pagamos por armas fruto de algum crime, armas ilegais. É uma estratégia para desarmar o criminoso, retirar de circulação essas armas de fogo e evitar crimes mais graves”, disse o secretário. A verba para arcar com estes custos é proveniente do Tesouro Estadual.

Fonte: G1 CE