85 98117.4241

ouvinte@redeshalomderadios.com

85 3261.3600 / 3264.1863

Notícias

Prefeitura quer triplicar a assistência à primeira infância em Fortaleza até dezembro deste ano

  • Publicado em 28/08/2019

Fortaleza deve mais que triplicar a assistência prestada à primeira infância até dezembro deste ano, devendo acompanhar 7 mil crianças. Essa é a meta da prefeitura municipal com a ampliação do Programa Cresça com seu filho/Criança Feliz, que hoje atende 2 mil crianças. Um dos objetivos é garantir diagnósticos mais precisos sobre as áreas vulneráveis da cidade.

Para isso, a gestão municipal firmou parcerias, na última terça-feira (27), com entidades das áreas da saúde e assistência social à primeira infância, como a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV), que fornecerá apoio técnico a profissionais municipais de saúde e educação. A instituição deve implementar ferramentas para a sistematização de dados relativos ao desenvolvimento da primeira infância na capital cearense, em especial de crianças em situação de vulnerabilidade social.

Quantificar o problema da assistência às crianças de zero a três anos é o maior desafio para resolvê-lo, segundo avalia a CEO da Fundação, Mariana Luz.

"Hoje não temos mecanismos para garantir o status dessas crianças, entender em que nível de desenvolvimento elas estão. Sabemos quais são as boas práticas, o que traz resultado, o que é importante, mas não sabemos onde elas estão. Um dos grandes desafios, agora colocado em Fortaleza, é entender esse panorama", diz Mariana Luz.

Alguns indicadores já foram trabalhados para identificar as áreas de maior vulnerabilidade na capital, segundo informou a primeira-dama de Fortaleza, Carol Bezerra, cujo gabinete conduz o Cresça com seu filho. Entre elas, as mais necessitadas são as Regionais V e VI. "Cruzamos os dados de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e gravidez na adolescência, por exemplo, e traçamos as áreas. Agora a meta é universalizar, porque em todo local da cidade tem criança que precisa", pontua a primeira-dama.

O acompanhamento das crianças é feito por meio dos agentes comunitários de saúde. Mas nem todas as áreas possuem Estratégia de Saúde da Família consolidada. Até 2018, o programa atendia somente 36 dos 119 bairros de Fortaleza. Conforme a prefeitura, as áreas descobertas devem ser incluídas no cronograma de visitas domiciliares até dezembro, abrangendo "872 gestantes e 540 crianças".


Fonte: G1 CE